PARA QUE SERVE COACHING, AFINAL?!SAINDO DO MODO REATIVO,PARA O MODO PROATIVO

ARCOIRISAtualmente as mudanças ocorrem em uma velocidade que quase acompanha a da luz, não é verdade? Em alguns momentos pensamos estar “fora de curso”, quando não conseguimos acompanhar a velocidade das informações e de novas tecnologias que são apresentadas (vide minha readaptação ao Windows 8… rss). Parece que a vida voa e escorre de nossas mãos como água! No mundo corporativo não é diferente. É muito comum, minhas coachees se queixarem sobre “como” se encaixar, diante de tantas mudanças nas empresas nas quais trabalham. Se assustam com a possibilidade de serem demitidas, como consequência das reestruturações, das fusões, por medo de não se ajustarem à uma nova cultura que é formada. Vejam que estou me referindo, também, à pessoas da famosa “nomenclatura e rotulagem” de geração Y. Parece bobagem, mas se adaptar a todas as responsabilidades que este rótulo impõe, não é na da fácil. Se de um lado, a “geração Y” corresponde a uma era de pessoas que já nasceram com a revolução tecnológica acontecendo, nas veias. Por outro lado, não podemos negligenciar o fato de que, como qualquer outro ser humano, estão sujeitos ao stress, às adaptações às mudanças, às pressões externas. Portanto, não é incomum, se sentirem sobrecarregados,receosos e angústiados, quando têm que tomar uma decisão sobre permanecerem na empresa nas quais trabalham; ou, partir para outra. Esta decisão não é banal e exige uma responsabilidade enorme, quando se pensa em “fracasso e medo do futuro”. Sim, porque ser muito, muito, muito rico e bem sucedido (e, por bem sucedido, entenda-se : muito dinheiro!) é condição “sine qua non”, da cultura vigente da sociedade. O que causa maior pressão ainda. Nada contra consumo, dinheiro e sucesso ! Mas, quando estes se sobrepõem aos valores e aos anseios reais de uma pessoa, é porque algo  não está bem. Na vida pessoal, as mudanças e as adversidades não ocorrem de forma diferente. Somos às vezes “pegos de surpresa” com acontecimentos que nos tiram do eixo. Já outros nos paralisam. Enquanto que outros, nos deixam anestesiados e empurrando a vida com a barriga, no limbo do conformismo, da frustração. ONDE O TRABALHO DE COACHING SE ENCAIXA?

O resultado de um trabalho de coaching não deve ser diferente de: “levar seu cliente (coachee) a um estado de auto realização; ao patamar que aos olhos do coachee, se chama: SUCESSO E REALIZAÇÃO PESSOAL !”

Na Cabalah ou Kabbalah, o conceito de reativo e proativo é um dos pilares para a evolução espiritual ( Coloco espiritual aqui, em um sentido mais amplo da nossa existência. Não imagino que sejamos ora espirituais e ora não espirituais. Isso porque o conjunto de tudo o que somos é ESPIRITUAL). Partindo deste conceito, todas as vezes em que reagimos (negando ou batendo de frente) a alguma coisa, tendemos a proooooloooooongarrrr, o que queremos que acabe. Se torna um circulo vicioso e sobe e desce e roda e volta. Já percebeu este mecanismo de “dejá vù” em sua vida? Pois é, atitudes reativas, trazem à tona, mais situações que perpetuarão as atitudes reativas. Como uma pedra batendo na outra. Segundo este princípio da Kabbalah, a iluminação acontece, quando conseguimos “superar a nós mesmos em nossa vontade de reagir às circunstâncias” . As tais circunstâncias desafiadoras, são chamadas de Tikkuns. Ao contrário do que se imagina, o tikkun não é visto como negativo. É VISTO COMO UMA OPORTUNIDADE PARA A ILUMINAÇÃO.

Portanto, a melhor reação ao ver um muro de pedra à sua frente é, se controlar, respirar e encontrar uma solução proativa; ou seja, algo que quebre a cadeia negativa e a transforme em positiva. Caso contrário, além de se machucar, ainda pode parar em uma camisa de força ! REATIVOPROATIVO   Fazendo uma analogia com a Kabbalah, este princípio de reatividade e proatividade; assim como, o tikkun,se aplica muito bem ao Proceso de Coaching. Tanto na esfera pessoal, profissional ou mesmo afetiva, muitas pessoas farão todo o possível para abafar seus medos, quando os medos podem abafar uma maravilhosa oportunidade, se trazidos à luz. Enfrentar os acontecimentos é sair da sua zona de conforto (olha a iluminação!).

Podemos considerar que quando percebe seus desafios (tikkun)  e tenta transformá-los em oportunidades, estará agindo proativamente, usando-o como alavanca para    se tornar melhor e aprender com os erros e acertos.

 Ignorá-lo, por outro lado,é alimentar um monstro que se revelará com ansiedade, stress, angústia e frustração. Você se torna reativo a tudo o que acontece em seu ambiente, refletindo em seu comportamento, seu humor e em sua produtividade, podendo perder grandes oportunidades que se apresentam, para ser mais feliz, pleno e realizado.

Lembro-me de uma coachee que se queixava da falta de dinheiro, do trabalho que fazia e da vontade de passar mais tempo com seu filho. Em meio às suas preocupações, a maior de todas estava o “medo do monstro que pensava ter se tornado” para seu filho. Este medo de ter se tornado um monstro, é comum à maioria das mães. Mães colocam uma espécie de dispositivo logo ao nascimento de seus filhos que se chama: culpa! Neste caso,a sua falta de paciência, de tolerância, eram os vilões que se manisfestavam quando se relacionava com seu filho. Ou seja, as frustrações nas suas outras áreas da vida, não a deixavam “ser, brilhar em todo o seu potencial”, como o “ideal de mãe que queria ser”. Estava tão exausta e desgastada, com tanta frustração e incômodo sem saber ao certo ” o que a incomodava” que se tornou reativa, intolerante e sem paciência. Este padrão virou um círculo vicioso, a culpa tomava conta de seus pensamentos e passou a “criar uma imagem de mãe-monstro”. (Hello, toda mãe perde a paciência, ok? E grita também. Decerto que não é o que queremos, mas o fazemos e nos arrependemos, com certeza. O principal aqui é sabermos reverter a situação e conversarmos a respeito do “comportamento nada legal” da mamãe e pedirmos desculpas. Queremos que nossos filhos tenham maturidade emocional, não é?). Para finalizar, ao longo do processo de Coaching, ela se reencontrou e está em um estado proativo. Está estudando a tão sonhada faculdade e vê a vida com outros olhos. Consequência, reencontrou a paixão pela vida afetiva e mais paciência para lidar com seu filho.

Como já disse Ghandi: ” Seja você a mudança que deseja ver no mundo”

A grosso modo, funciona mais ou menos assim: propelsuccessimageUma pessoa com ATITUDES PROATIVAS, tem uma tendência a transformar limões em limonadas (oportunidades), consegue manter um nível de motivação maior diante das circunstâncias e de resgatar inspiração para superar desafios. Aqui, já temos outro exemplo: uma pessoa com atitudes proativas, consegue ver “desafios” e não “calamidades e problemas”, por mais difíceis que possam parecer.O resultado é a sua auto realização. Uma pessoa com atitudes reativas, tende a ver tudo de uma forma difícil de transformar, de mudar. Tem uma tendência a perceber que tudo o que acontece no ambiente é “por causa dela”, ela provocou a situação problema. Ela não se basta, não se acha suficientemente capaz, valorizada. Responde de forma defensiva.O resultado é a exaustão. Existem fases assim em nossas vidas. É como se o trem descarrilasse e tentássemos a todo custo, colocá-lo nos trilhos novamente, mas não conseguimos.

 

Os questionamentos mais comuns são: “será que sou bom o suficiente? “qual o momento certo de buscar uma nova oportunidade?” “devo investir em uma pós, mestrado outra graduação?” “me aposento ou continuo na empresa?” “gostaria de entender porque a empresa não em dá oportunidades” “qual/quais competência(s) preciso desenvolver para assumir novos desafios na organização?” “adoro o que faço; mas, agora quero ser mãe e estou em dúvidas sobre largar o emprego e colocar em risco a minha estabilidade; ou, se empreendo para ter mais tempo para meu filho.”

O processo de Coaching, busca levar seu cliente (coachee) a trocar seus medos e bloqueios, por uma visão mais ampla e universal. Busca apresentá-lo à estrela que está mais ao alto, mostrando-lhe seu potencial. Ajudando-o a “mudar, sair” de um estado reativo; para um estado em que se torna capaz de responder proativamente aos seus desafios. Permitindo-o  abrir o  caminho para OPORTUNIDADES e REALIZAÇÕES !

O que você achou deste post ? Ainda tem dúvidas sobre Coaching? Envie seu comentário e suas dúvidas e informe se deseja que publique ou não. Será um prazer responder !

Até o próximo post ! Rejane Santos

Rejane Santos, MSc.  é Coach e Consultora de RH – O foco de seu trabalho está no desenvolvimento de pessoas e equipes de trabalho, orientado para resultados. Sua formação é generalista, o que permite a reunião de diferentes ferramentas para o desenvolvimento de seu trabalho: Metodologia de Times, Ferramentas Coaching, Metodologia Vivencial. Seu diferencial está em sua visão sistêmica, promovendo resultados diferenciados para a organização como um todo. Autora do livro: “ISO9000 para a hotelaria” Páginas facebook – Mulheres Cocriativas (empreendedorismo feminino) e CoCreatrionCoaching Website (em atualização) http://www.cocreationcoaching.com.br Já desenvolveu projetos, dentre outras organizações: EBX/Diretoria de Entretenimento,Cargill Agricola, Tim, Embratel, Petrobras, Bourbon, APSA, Banco Guanabara.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s