RSS

O FUNIL DA INOVAÇÃO: TRANSFORMANDO IDÉIAS EM REALIDADE PARTE 1

27 ago
O FUNIL DA INOVAÇÃO: TRANSFORMANDO IDÉIAS EM REALIDADE PARTE 1

PARA QUE SERVE O FUNIL…

Para quem está começando o processo criativo para lançar um produto; ou mesmo, para os momentos em que o empreendedor sente a necessidade de criar algo novo sobre um determinado produto; ou ainda, deseja ampliar o seu mix de ofertas, o FUNIL DE IDÉIAS OU FUNIL DE INOVAÇÃO, pode ser uma excelente ferramenta para começar a aglutinar as idéias.

Entretanto, durante este processo, enquanto estiver sob o efeito de tempestades sobre o que você pode fazer, criar, desenvolver em seu produto, vai uma dica: não esqueça de literalmente ADOTAR UM CADERNO. Ande com ele na bolsa, debaixo do travesseiro, deixe-o sempre ao teu lado. Esteja preparada…

Muitas das vezes, as idéias fluem quando dormimos ou quando menos esperamos. Simplesmente do nada… PUF ! surge uma idéia. A isto chamamos insight. Não perca seus insights; são muito úteis ! Entretanto, chega o momento em que ordenar, planejar, colocar o pé na estrada é preciso: Chega o momento de usar o “FUNIL”!

Trago para você, a seguir, o post de Tamara Barber, sobre o que é o funil e suas respectivas etapas.

Objetivando gerenciar o processo de desenvolvimento de novos produtos (DNP), muitas empresas aplicam o modelo do funil de inovação. A idéia básica é que o departamento comercial ou de Pesquisa e Desenvolvimento, começe com idéias de novos produtos que precisam ser examinados, peneirados em seus conceitos e testados até que somente um produto final seja selecionado e lançado.A seguir estão as etapas principais do FUNIL:

  • Avaliação de oportunidade: Aqui a organização analisa – através de dados de mercado, conhecimento do cliente ou outras fontes de informação – que tipo de oportunidade existe para uma nova linha de produtos ou a extensão da linha.
  • Ideação baseada em insights: Baseado na análise sobre qual tipo de oportunidade é mais adequada para a estratégia da empresa, o próximo passo é idealizar diferentes tipos de produtos ou ofertas que poderiam capitalizar esta oportunidade. Esta se baseia fortemente em insights sobre o mercado e os clientes-alvo, podendo assumir a forma de brainstorming, co-criação com clientes e pesquisa de mercado;  tais como pesquisas com grupos de foco, comunidades online e crowdsourcing*1.
  • Conceituação: Nesta fase, a equipe projeta conceitos reais para as melhores idéias que saíram da fase de ideação. Isto pode incluir protótipos de embalagens, cópia de publicidade ou configurações diferentes de recursos do produto.
  • Avaliação e benchmarking: Em seguida é hora de voltar para os clientes-alvo e testar os diferentes conceitos. Isto pode incluir pesquisas conjuntas ou testes (por exemplo, no caso dos sites). Com base no feedback dos testes, pode-se reiterar os conceitos e, em seguida, realizar um re-teste.
  • Ir  / não ir em frente: Após a conclusão da etapa anterior, a análise das mesmas,revelará  os conceitos com a melhor chance de sucesso. Os executivos devem tomar uma decisão sobre lançar ou não o novo produto, tendo em conta não apenas a avaliação e os resultados de benchmarking; mas também, fatores como custos de produção, margens de lucro e outros itens que não estão relacionados com a preferência do cliente .
  • Lançamento: Supondo que seja dado sinal verde a um dos conceitos, este é lançado no mercado! A idéia veio à vida.

Diferentes versões do funil existem, dependendo de onde as entradas para a inovação nos levam. Este é um modelo tradicional. A simplicidade do conceito funil o torna  amplamente adaptável ​​em diferentes setores e tipos de organizações. Entretanto, não captura os detalhes do que é necessário para realmente trazer um novo produto para o mercado. Na prática, é um excelente brainstorming e ferramenta de teste para assegurar os passos seguintes.

Para a empreendedora(dor) que deseja testar a sua idéia, o funil de inovação pode ser adaptado para capturar a essência e o propósito do seu produto.Apesar de não ser a única ferramenta a ser utilizada.

O que achou desta ferramenta? Já a aplicou? Gostaria de compartilhar outras formas criativas de utilizá-la?

Acompanhe aqui, o texto de continuação em que serão dados exemplos desta ferramenta.

Espero ter ajudado de alguma forma.

Nos encontramos nos próximos posts ou em seus comentários: surpreenda-me !

Pax,lux,

Rejane

Que mudanças você acha que são necessários para modernizar o funil de uma forma que ainda é relevante em todos os setores?

*1. Crowdsourcing é um processo que envolve a externalização de tarefas a um grupo de pessoas. Este processo pode ocorrer tanto online como offline. A diferença entre crowdsourcing e terceirização comum é que uma tarefa ou problema é terceirizada para um público indefinido, em vez de um órgão específico, como funcionários pagos fonte: wikipedia

Tags:  Desenvolvimento de Novos Produtos , Teste de Conceito , Conjunto

 

About these ads
 

Tags: , , , ,

2 Respostas para “O FUNIL DA INOVAÇÃO: TRANSFORMANDO IDÉIAS EM REALIDADE PARTE 1

    • Rejane

      julho 9, 2013 at 11:33

      Muito obrigada pela constribuição ! Um show ! Espero que todos gostem e acompanhem o site “porvir.org.”
      Sucesso !
      Rejane Santos

       

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 102 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: